[vc_row type=”vc_default” full_width=”stretch_row” full_height=”yes” equal_height=”yes” parallax=”content-moving” parallax_speed_bg=”3″][vc_column][vc_video link=”https://www.youtube.com/watch?v=l5RCWF-6pcg”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]De 19/10 a 1º de novembro, acontece a 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Composta por quase 400 títulos, a programação deste ano conta com 14 pré-indicados ao Oscar de filme estrangeiro e diversas obras aclamadas em festivais internacionais, como o aguardado “The Square”, vencedor de melhor filme em Cannes. O evento também contará com retrospectivas de dois grandes diretores, Agnès Varda e Paul Vechiali, e a participação de diversos convidados especiais, como artista chinês Ai Weiwei.

Se você ainda não se convenceu, elegemos abaixo 5 bons motivos para você não perder esta edição.

 

 

  1. Veja antes de todo mundo

De grandes destaques dos festivais internacionais aos filmes escolhidos para concorrer a indicações ao Oscar de melhor filme estrangeiro, a Mostra é uma ótima oportunidade para quem não aguenta mais esperar pela estreia dos longas no circuito comercial. Entre os confirmados, destacam-se: “The Square”, de Ruben Östlund que venceu a Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes; “O Outro Lado da Esperança”, de Aki Kaurismaki, Urso de Prata de Melhor Direção em Berlim; “Loveless”, de Andrey Zvyagintsev, Prêmio do Júri em Cannes; “Félicité”, de Alain Gomis, Grande Prêmio do Júri em Berlim; e “Nico, 1988”, de Susanna Nicchiarelli, Melhor Filme da seção Horizontes de Veneza.

 

2.Convidados especiais

Além de assinar a arte do pôster desta edição, o artista chinês Ai Weiwei vem a São Paulo para apresentar seu documentário sobre a crise de refugiados, “Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir”, que abre o evento no dia 18 de outubro no Auditório Ibirapuera. Entre outras presenças confirmadas estão: Paul Vecchiali, cineasta francês que será homenageado com o Troféu Leon Cakoff e retrospectiva; Laurent Cantet, cujo longa “A Trama” encerrará o evento; Ahmad Kiarostami, que finalizou “24 frames”, filme póstumo de seu pai, o iraniano Abbas Kiarostami (1940-2016); e Lucrecia Martel, diretora de “Zama”.

 

3.Mulheres em projeção

Prestes a ser agraciada com um Oscar honorário, Agnès Varda, de 89 anos, será homenageada com o Prêmio Humanidade e com a exibição de 11 longas de sua filmografia, incluindo “Faces Places”, documentário foi exibido nos festivais de Toronto e Cannes deste ano. Contando com os filmes da cineasta belga, a Mostra apresenta 98 títulos dirigidos por mulheres, entre os quais, “Esplendor”, de Naomi Kawase; “Zama”, de Lucrecia Martel; “Mulheres Divinas”, de Petra Volpe e 18 longas dirigidos por brasileiras.

 

4. Cinema sem fronteiras

Dando continuidade à tradição de oferecer ao público um panorama da produção cinematográfica de um determinado país, a curadoria escolheu a Suíça para esta edição. A mostra homenageará os diretores Alain Tanner, que terá sete títulos exibidos em retrospectiva no evento, e Georges Schwizgebel, com sete curta-metragens animados em apresentações especiais, e exibirá o filme “Ascensão e Queda de uma Pequena Produtora de Cinema” que o cultuado diretor Jean-Luc Godard fez para a televisão em 1976. Além disso, uma vasta seleção de longas contemporâneos que passaram por festivais internacionais completará a seleção.

 

5. Realidade virtual

A tecnologia mais hype do momento não ficará fora do tradicional evento cinéfilo: pela primeira vez, os filmes de realidade virtual integram a programação da Mostra. Serão exibidos 19 curtas-metragens VR, entre eles, “Bloodless”, de Gina Kim – premiado em Veneza 2017; “Extravaganza”, de Ethan Shaftel – seleção Tribeca 2017; e “Proxima”, de Matthieu Pradat – seleção Veneza 2017.

Saiba mais: 41.mostra.org[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]