[vc_row type=”vc_default” full_width=”stretch_row” full_height=”yes” equal_height=”yes” parallax=”content-moving” parallax_speed_bg=”3″][vc_column][vc_single_image image=”6376″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Buh D’Angelo
Em 2016, aos 22, a especialista em TI criou o InfoPreta, empresa composta integral- mente por mulheres negras que trabalham pela democratização e promoção da igualdade de gênero por meio da tecnologia[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”6377″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Mauro Neri Da SilVA
Mentor do coletivo Agentes Marginais e do projeto Cartograffiti, o grafiteiro espalha pelos muros seus personagens carregadores-decasas-amarelas e as já conhecidas inscrições “VER A CIDADE”[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_single_image image=”6378″ img_size=”full” alignment=”center”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Marcio Black
O cientista político e produtor cultural é integrante do Coletivo Sistema Negro, grupo ativista que, por meio de ocupações políticas e culturais, questiona a forma como a cidade de São Paulo trata sua população negra.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]