[vc_row type=”vc_default” full_width=”stretch_row” full_height=”yes” equal_height=”yes” parallax=”content-moving” parallax_image=”2494″ parallax_speed_bg=”3″][vc_column][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

A Pantone elegeu o Greenery (um tom de verde) como a cor de 2017, mas é outra tonalidade que tem dominado as tendências da moda, do design e da decoração nos últimos dois anos: o rosa, ou melhor, o Millennial Pink. A matiz, que engloba do bege avermelhado ao pêssego, reina cada vez mais forte e foi assim batizada por sua relação com a geração Y. Em entrevista à Casa Vogue, Lili Tedde, representante da trendhunter Li Edelko no Brasil, explica o porquê: “É uma tendência entre jovens a vontade de permanecer nesta fase da vida e não amadurecer, por isso o tom faz sucesso. Ele é nostálgico e está presente nas boas memórias da infância”. Segundo a reportagem publicada no site da revista mensal, a cor foi ressignificada pelos millennials: é agora símbolo do agênero, da fluidez sexual e dos movimentos feminista e LGBT.
Saiba mais: Casa Vogue

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]